top of page
  • LM

Psicologia experimental: como funciona?



A psicologia experimental é uma metodologia voltada para a compreensão da ligação entre pensamento e comportamento, com foco na realização de experimentos controlados para testar teorias e provar fatos.


A pesquisa é conduzida para desenvolver e compreender as instâncias humanas, como memória, percepção, emoção e motivação. Para isso, são necessárias cobaias para ajudar a entender o assunto em estudo.


Quer saber mais sobre a psicologia experimental? Então, leia este artigo até o final e confira as principais informações sobre o assunto.


O que é psicologia experimental?


A psicologia experimental é o campo da ciência que estuda a mente por meio de experimentos. Assim, diversas questões relacionadas à psicologia humana são avaliadas com o apoio de manipulações, observações e variáveis ​​que afetam e afetam os indivíduos.


Portanto, os psicólogos experimentais visam estudar o comportamento humano e os processos e funções que o afetam. Isso foi feito por meio de experimentos com cobaias, que permitiram conhecer os assuntos estudados, que incluíam: memória, aprendizado, percepção e emoção.


Como surgiu a psicologia experimental?


Sobre o surgimento da psicologia experimental, podemos citar dois grandes nomes.


Ernest Heinrich Weber (1795 – 1878) foi um médico alemão, considerado um dos fundadores da psicologia experimental. A conhecida lei de Weber-Fechner visava descrever a relação entre a sensação psicológica de um estímulo (percepção) e a sensação física do estímulo.


Continuando a evolução, outro grande nome é Wilhelm Maximilian Wundt (1832-1920), filósofo, médico e psicólogo alemão. Depois de estudar medicina, trabalhou como fisiologista nas Universidades de Heidelberg e Leipzig.


Foi em Heidelberg que lecionou o primeiro curso universitário de psicologia científica e, em 1867, começou a ministrar cursos de psicologia experimental (o primeiro curso formal de psicologia na área experimental). Já em 1875, Wilhelm Wundt começou a trabalhar na Universidade de Leipzig, onde criou o primeiro laboratório dedicado à psicologia experimental, separando a psicologia da filosofia e da biologia.


Os princípios da psicologia experimental


Para que a pesquisa psicológica seja considerada confiável, os pesquisadores devem concordar com quatro princípios. A partir disso, a abordagem para uma melhor compreensão da psicologia experimental:


Determinismo


O determinismo diz respeito à suposição de que qualquer estado de um objeto ou evento é determinado por eventos anteriores. Isso significa que o comportamento ou fenômenos psicológicos são expressos em termos de causa e efeito.


Quando um fenômeno é suficientemente comum e validado, é entendido como uma lei organizada pela teoria psicológica.


Empirismo


O ser humano só pode avaliar o que pode ser observado, pois a experiência relacionada aos sentidos produz o conhecimento. Dessa forma, só se pode estudar o que é observável, e o empirismo exige que hipóteses e teorias sejam separadas das observações do mundo natural.


Parcimônia


É um foco na simplicidade, o que significa que, quando existem duas teorias diferentes, os pesquisadores devem priorizar a mais simples.


Probabilidade


Este princípio afirma que hipóteses e teorias devem ser comprovadas ao longo do tempo ou serão consideradas inválidas. A probabilidade envolve verdade ou falsidade em uma teoria, e as observações são usadas para confirmar se uma hipótese é verdadeira.


A confiabilidade e a validade da psicologia experimental


Consistência e verificabilidade da teoria ou pesquisa de análise de confiabilidade. Isso significa que, se puder ser repetido e atingir os mesmos resultados considerando um conjunto diferente de participantes ou outro período de tempo, será considerado confiável.


A validade, por sua vez, mede a precisão ou exatidão relativa das conclusões tiradas da pesquisa. Em seguida, examina os tipos de validação em psicologia experimental.


Validade interna


Este é o estudo que fornece fortes evidências de uma relação causal entre dois fatores e conclui que é a manipulação da variável independente que causa a mudança na variável dependente.


Validade externa


Este é um estudo que poderia ser replicado em uma população diferente e ainda produzir os mesmos resultados.


Validade de construto


As variáveis ​​dependentes e independentes representam com precisão o conceito abstrato que está sendo estudado.


Validade conceitual


É quando as hipóteses de pesquisa dão suporte à teoria mais ampla que está sendo analisada e estudada.


Os métodos da psicologia experimental são amplamente utilizados


É comum referir-se à psicologia experimental como um ramo da psicologia tradicional para facilitar sua compreensão. No entanto, para ser claro, todos os campos da psicologia usam métodos experimentais em suas aplicações.


Portanto, nesse âmbito os experimentos da psicologia experimental são úteis e acessíveis a qualquer área de estudo.


Para tornar isso mais claro, vejamos alguns exemplos. Psicólogos que estudam o desenvolvimento humano usam técnicas experimentais para analisar o crescimento de um indivíduo ao longo da vida, desde a infância até a idade adulta.


Os psicólogos sociais, por outro lado, usam métodos experimentais para avaliar como os grupos afetam as pessoas. E, por último, os psicólogos da saúde também realizam experimentos para entender o que afeta a saúde das pessoas.


146 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page