top of page
  • LM

Resistência à terapia: por que acontece?



A resistência na terapia é o comportamento, cognição ou emoção exibidos por um paciente que constitui uma barreira à mudança. Essa faixa de resistência é tão ampla quanto o número de pessoas tratadas.


Embora nem todos levantem tais objeções, às vezes encontramos pacientes que parecem estar presos, recusando-se a nos informar sobre certos problemas ou não realizando tarefas combinadas. Diferentes modelos e correntes psicológicas prestam vários graus de atenção à resistência.


No entanto, é preciso que alguém insista na necessidade de abordar essas questões, dar-lhes a atenção que merecem, expô-las nas reuniões e perguntar com decisão ao paciente quais são as dificuldades que ele está tendo.


Aplicáveis a qualquer tipo de terapia, existem técnicas que podem efetivamente quebrar as resistências no processo terapêutico; neste caso, vamos nos concentrar nas da psicologia positiva.


O que é a psicologia positiva?


A psicologia positiva é uma corrente de psicologia que se concentra principalmente nos pontos fortes; não o que nos torna fracos, mas os recursos e o potencial que temos.


Muitos pensam que ela nasceu em 1998, promovida pelo próprio presidente da Associação Americana de Psicologia (APA), M. Seligman.


A base da psicologia positiva é aumentar as forças, o crescimento e o desenvolvimento humano.

Por exemplo, os modelos de felicidade atualmente construídos buscam o bem-estar psicológico individual em termos de independência e autonomia, possibilitando ambientes que satisfaçam desejos e necessidades, e o desenvolvimento de potencial e propósito vital.


Assim, incluir as tarefas típicas do presente, independentemente do tipo de método de tratamento, é descrito como ajudando não só a quebrar a resistência, mas também a enriquecer a mudança do indivíduo e melhorar suas habilidades.


Principais tipos de resistências na terapia


Pensamentos negativos


Em um grande número de patologias, podemos encontrar pensamentos recorrentes que o paciente é incapaz de parar.


Quando interromper o pensamento com autodireção ou tempo ocioso parece ser ineficaz em um contexto cognitivo-comportamental, na busca de reenquadramento cognitivo, ganho


Muitos pacientes ficam completamente sobrecarregados com a patologia. É difícil para a maioria deles não se identificar com a palavra. Isso geralmente acontece com a ansiedade. Pessoas com transtornos de ansiedade costumam usar esse rótulo para se definir sem renunciar a ele.


Eles acham que têm ansiedade o tempo todo e sempre estará com eles. Despatologizar a ansiedade e outros transtornos é importante para retirar seu poder e para que as pessoas descubram outros adjetivos mais apropriados para se definir.


Antecipação e ansiedade


Voltando à resiliência nos transtornos de ansiedade, a reestruturação cognitiva às vezes pode ser assustadora. Assim, o debate de Sócrates sobre o pensamento irracional pode ser combinado com a tarefa de ajudar os clientes a encontrar um sentido positivo para fatos problemáticos, uma vez que as expectativas sobre eles costumam causar muito desconforto para as pessoas com essa condição:

  • Abrindo o futuro: a psicoeducação em termos de utilidade de problemas. Discutir sobre os benefícios de esperar a vida de braços abertos, com curiosidade e interesse;

  • Marcas da vida e o progresso: procurar as marcas que as experiências positivas e negativas deixaram no indivíduo e decidir quais delas ele deseja manter.

Atribuição da mudança terapêutica à medicação


As pessoas que iniciam a psicoterapia com medicamentos podem atribuir quaisquer mudanças positivas ao próprio medicamento.


Diante disso, porque não é possível retirar imediatamente a droga, e às vezes o tiro sai pela culatra, o objetivo é conscientizar as pessoas sobre toda a gama de mudanças positivas ocorridas, além de aliar a isso a ideia de desmantelar as sessões de terapia.


Por sua vez, eles também podem perceber sinais de melhora e recuperação negligenciados em cada sessão.


Esses tipos de tarefas e técnicas são apresentados dentro de uma gama de opções disponíveis para o terapeuta lidar com a resistência ao tratamento. Não é recomendável ignorá-los ou não lhes dar a devida atenção.


Outras intervenções positivas podem ser utilizadas, e o objetivo final é sempre o empoderamento e a despatologização, que são os principais pilares da psicologia positiva.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page