top of page
  • LM

As 7 doenças mais comuns no Brasil



As patologias mais comuns, também conhecidas como DCNT, estão entre as principais causas de morte no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).


Embora fatores genéticos estejam associados a muitas dessas condições, sua ocorrência também está fortemente associada a maus hábitos (sedentarismo e má alimentação) e idade avançada.


Todas essas doenças compartilham uma característica comum de progressão lenta, gradual e silenciosa, o que as torna ainda mais perigosas. Além disso, são condições crônicas para as quais o manejo deve ser buscado e não há cura.


Compreender como esses problemas surgem e se desenvolvem, bem como os cuidados necessários, é fundamental para reduzir o risco.


AS DOENÇAS MAIS COMUNS NO BRASIL


É importante ressaltar que as doenças descritas neste artigo são as que acometem os brasileiros há muito tempo. Ou seja, não são consideradas doenças como gripes ou resfriados.


O mais importante para entender as doenças mais comuns é ser capaz de reconhecer seus sintomas e saber que você precisa consultar um médico se tiver sintomas.


1. Diabetes


O Brasil é o 5º da lista em um levantamento mundial de países com incidência de diabetes, com 16,8 milhões de doentes adultos (20 a 79 anos).


A doença ocorre quando falha a produção de insulina no sangue, importante substância que controla a taxa de açúcar no sangue e mantém os níveis ideais.


Portanto, existem dois tipos de diabetes, tipo 1 e tipo 2. Quando uma pessoa já tem a doença tipo 1, significa que o pâncreas não produz mais quase nenhuma quantidade de insulina. Dessa forma, a doença não tratada adequadamente, pode atingir e danificar diversos órgãos do nosso corpo.


Os principais sintomas do diabetes incluem:

  • Sede;

  • Vontade de urinar frequente;

  • Perda de peso sem motivos;

  • Fraqueza;

  • Mudanças de humor;

  • Náusea e vômitos.

O diabetes é tratado com medicação adequada e uso direto de insulina. Assim, os pacientes devem procurar ajuda urgente de um endocrinologista assim que qualquer sintoma aparecer.


2. Alzheimer


A doença de Alzheimer é uma doença progressiva que causa a destruição das células cerebrais, prejudicando a memória e outras funções mentais importantes. Nos estágios iniciais da doença, os pacientes começam a esquecer eventos recentes e só se lembram de coisas muito antigas. Assim, esta doença possui dois tipos:


Alzheimer de início precoce – afeta pessoas com menos de 65 anos.

Alzheimer de início tardio – os sintomas aparecem após os 65 anos, sendo os casos mais frequentes.


Apesar de não existirem estudos conclusivos sobre esta doença, existem alguns fatores que podem facilitar seu aparecimento. Por exemplo:

  • Idade;

  • Histórico familiar e genética;

  • Falta de exercício;

  • Obesidade;

  • Fumar;

  • Pressão alta;

  • Colesterol alto no sangue;

  • Diabetes tipo 2 mal controlado;

  • Uma dieta sem frutas e vegetais.

No dia a dia, é preciso ficar atento aos sinais que podem indicar a doença. Então, alguns desses sintomas podem ser:

  • Dificuldade em se concentrar e pensar;

  • Falta de memória;

  • Dificuldade em fazer tarefas da rotina;

  • Mudanças na personalidade ou comportamento.

Quando uma pessoa suspeita que pode estar apresentando sintomas do distúrbio, é importante procurar um especialista para iniciar o tratamento. Embora não haja cura para essa doença, existem maneiras de melhorar a qualidade de vida do paciente com medicamentos ou tratamentos.


3. Hipertensão


Comumente conhecida como hipertensão, esta doença é uma doença crônica que afeta mais de 25% da população brasileira. Caracteriza-se, portanto, por pressão arterial elevada, com valores máximos e mínimos de pressão superiores a 140/90 mmHg (14 x 9).


Após o diagnóstico do cardiologista, o paciente deve iniciar a medicação e sempre ter cuidado ao medir a pressão. Além disso, os pacientes devem evitar sal, álcool e fumo.

Alguns sintomas que podem indicar pressão alta são:

  • Dores no peito;

  • Dor de cabeça;

  • Tonturas;

  • Zumbido no ouvido;

  • Fraqueza;

  • Visão embaçada;

  • Sangramento no nariz.

4. Asma


Conforme a SBPT, atualmente no Brasil existem aproximadamente 20 milhões de pessoas que sofrem com a asma.


A asma é uma doença comum em todo o mundo, causada pela inflamação das vias aéreas ou brônquios. Podem aparecer sintomas como:

  • Dificuldade de respirar ou falta de ar;

  • Chio ou chiado no peito;

  • Tosse;

  • Sensação de aperto no peito.

5. AIDS


A AIDS é uma doença transmitida pelo contato com sangue infectado ou sexo sem camisinha. Assim, a doença ocorre quando o vírus HIV atinge um estágio avançado no organismo e ataca o sistema imunológico.


Ao ser portador de um vírus, o indivíduo perde suas defesas e fica mais suscetível a doenças. As células mais afetadas são os leucócitos, as células brancas de defesa por onde o vírus se distribui e se multiplica, fazendo com que essas células rompam.


O tratamento é feito com medicamentos antirretrovirais fortes, que podem causar efeitos colaterais ao paciente. No entanto, quando a imunidade de um portador já está baixa, os antibióticos precisam ser iniciados para prevenir infecções específicas que podem se tornar graves.


6. Depressão


A depressão é um transtorno mental que faz com que a pessoa se sinta profundamente triste e perca o interesse pelas coisas. De acordo com o Ministério da Saúde, existem alguns fatores de risco que podem contribuir com a depressão, entre eles:

  • Histórico familiar;

  • Outros transtornos psiquiátricos;

  • Estresse;

  • Ansiedade;

  • Disfunções hormonais;

  • Dependência de álcool e drogas ilícitas.

Ao reconhecer os sintomas da depressão, é importante começar a tratá-la com medicamentos e terapia. Assim, os psicólogos ajudam os pacientes a desenvolver estratégias para lidar com problemas emocionais, enquanto os psiquiatras apontam remédios que podem reduzir os sintomas depressivos, levando em consideração o que é melhor para o paciente.


7. AVC


Existem dois tipos desta doença: acidente vascular cerebral isquêmico e acidente vascular cerebral hemorrágico.


O primeiro tipo ocorre quando o fluxo sanguíneo nas artérias do cérebro é bloqueado ou reduzido repentinamente, causando falha na circulação.


O segundo tipo, por outro lado, ocorre quando um vaso sanguíneo no cérebro se rompe espontaneamente.


Quando os pacientes suspeitam que podem ter um AVC, precisam ir ao hospital mais próximo o mais rápido possível para evitar maiores consequências.


Como pode ser observado, muitas das doenças mais comuns entre os brasileiros têm a falta de uma vida saudável e de acompanhamento médico regular como um dos principais fatores de risco.


Estar atento à própria saúde é fundamental para evitar quaisquer problemas de saúde.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page