top of page
  • LM

Paternidade socioafetiva: entenda os diferentes tipos de pai



A relação pai-filho da influência social corresponde a uma situação muito comum na sociedade brasileira, embora poucas pessoas percebam sua existência.


Nos últimos 20 anos, o entendimento da família passou por mudanças fundamentais. Antigamente, apenas o pai biológico ou o pai adotivo era reconhecido como pai diante da lei. Atualmente, a paternidade e a maternidade socioafetivas já são reconhecidas juridicamente.


Essa possibilidade decorre do desenvolvimento da família nuclear e das necessidades dessa transformação social. Então podemos dizer que existem vários tipos de pai e mãe, e os laços biológicos são um dos fatores mínimos.


A relação entre crianças e sociedade influencia o pai não é apenas possível, mas é completamente viável, e é tão amor quanto a relação entre a criança e o pai biológico ou adotivo.


De fato, esses relacionamentos familiares sem existência de laço sanguíneo sempre existiram, mas demoraram para ser aceitos pela legislação brasileira.


O que faz um pai?


Primeiro de tudo, é importante refletir: o que torna os indivíduos um pai? É apenas o laço sanguíneo, o reconhecimento da lei ou outra coisa? Muitas pessoas afirmam fazer do pai um pai.


Independentemente da lei, ou se há sangue, os pais são pais que escolhem amor e carinho. O sentimento entre pais e filhos, não importa o que eles sejam nesta posição, é o fator mais importante.


Além do carinho, os pais também cuidam da saúde, felicidade e felicidade de seus filhos. Eles se preocupam com eles, fornecem ajuda e sugestões e aparecem no caso mais importante.


Obviamente, eles se tornaram um exemplo de bom comportamento e inspiração. Se isso pode ou não ser feito pelo caráter de qualquer pai. De fato, existe apenas o sentimento de coexistência ou pai ou filho.


Como os fatores biológicos não são mais os mais importantes, abre-se a possibilidade para a existência de vários tipos de pai. Pais de afeto. Pais adotivos. Pais que não moram junto. Pais socioafetivos.


O que é paternidade socioafetiva?


A relação pai-filho da influência social é estabelecer uma relação emocional entre pais e filhos sem vínculos biológicos. Por exemplo, seu companheiro começou a desempenhar o papel de namorada ou esposa.


O vínculo entre crianças e parceiros é gradualmente estabelecido ao longo da coexistência. Portanto, esse é o ponto em que os indivíduos começam a pensar no pai de seus filhos, e ele também pensa em seu pai.


O Superior Tribunal de Justiça, no Recurso Especial n. 878941, reconheceu a filiação socioafetiva ao considerar que o afeto entre os pais e filhos reflete o vínculo duradouro entre eles. Ele, por sua vez, não é biológico. O afeto deriva da convivência e da familiaridade, não do sangue. Por isso, também nos deparamos com casos de pais biológicos com relacionamentos turbulentos com os filhos e vice-versa.


Além disso, os laços emocionais são uma forma de responsabilidade social, ou, em outras palavras, a imagem do pai nutre as emoções e suas necessidades financeiras, de inteligência e emocional das crianças.


Portanto, se ele e a criança tiverem os sentimentos, as emoções físicas, financeiras e de inteligência um do outro pode reconhecer a paternidade perante a Justiça.


O que implica a paternidade socioafetiva?


Quando acontece o reconhecimento da paternidade socioafetiva, o indivíduo que se torna pai continua a exercer as mesmas funções e ter o mesmo relacionamento de afeição e cuidado com a criança. A diferença é que passa a possuir os mesmos direitos e deveres de um pai biológico.


O pai socioafetivo cria os filhos com o mesmo amor, entusiasmo e gentileza que um pai e filho com vínculos biológicos.


No entanto, de fato, a formação de laços emocionais pode não ser tão simples. Muitos estudos que investigam as consequências da ausência da figura paterna no desenvolvimento da criança e do adolescente, bem como da súbita inserção de outra figura na família.


Se a saída do pai biológico for traumática, a criança pode se sentir abandonada e perder a confiança nas pessoas. Esse sentimento de insegurança pode causar dificuldades e traumas em relacionamentos emocionais saudáveis ​​e duradouros.


Nesse caso, é difícil para crianças ou adolescentes se sentirem confortáveis ​​na frente dos companheiros ou pai de sua mãe. Mesmo que eles tenham estabelecido um bom relacionamento, o senso de insegurança no passado complicará a coexistência.


Por exemplo, as crianças podem não estar abertas porque tem receio deste companheiro sair de sua vida.


O pai socioafetivo também pode sofrer um sentimento de insegurança. Embora o amor, carinho e afeto existam, ele compreende que outra figura paterna, o pai biológico, ocupa um espaço no coração do filho.


30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


Post: Blog2_Post
bottom of page